Ex-líder admite erro de Taques ao perseguir Silval e sugere recursos do Fethab para Saúde

Wilson Santos destaca que Mauro Mendes já avisou que só falará de tucano por mais alguns dias

TARLEY CARVALHO/LARISSA MALHEIROS

Da Redação

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) cogita apresentar a proposta de ampliar o Fethab (Fundo Estadual de Transporte e Habitação) para a Saúde. A ideia foi revelada em entrevista à imprensa nesta manhã de quinta-feira (10) na Assembleia Legislativa, enquanto o parlamentar se posicionava sobre assuntos econômicos e posicionamentos do novo Governo, comandado por Mauro Mendes (DEM).

A ideia do deputado é que a Casa de Leis conceda ao governador a autorização para usar os recursos da forma como melhor julgar. Esta flexibilização, na defesa de Wilson, duraria por apenas um ano.

Em janeiro de 2019, então, o Fethab voltaria a ser utilizado para investimento em estradas e casas populares, podendo expandir para atender demandas da saúde. “Vou propor que neste primeiro ano o Governo ainda possa usar os recursos do Fethab para as finalidades de Transporte e Habitação e outras, e vamos dar um ano para o governador se adequar. A partir de janeiro de 2020, é o meu projeto, ele e seus sucessores ficam impedidos de usar os recursos do Fethab para outras finalidades, a não ser para as quais ele foi criado: Habitação, Transporte e, talvez, saúde seja a única exceção que nós ampliaremos”, explicou.

Ainda no campo das ideias, a proposta de Wilson deverá ser incluída como emenda no projeto encaminhado por Mauro ao Parlamento. Caso não seja possível, explicou, a proposta será apresentada como Projeto de Lei.

O Fethab é uma alíquota cobrada das commodities, criado para impulsionar o investimento na manutenção e construção de rodovias, casas populares. Desde que problemas de gestão dos recursos públicos comprometeram o Estado, ainda na gestão Pedro Taques (PSDB), fruto de um longo processo de irresponsabilidade governamental, o fundo se tornou debate para que pudesse ser aplicado em outras áreas mais emergenciais, como a saúde.

Nos últimos anos, o fundo tem apresentado crescimento significativo aos cofres públicos. Em 2015, Mato Grosso arrecadou o montante de R$ 791 milhões.

No ano seguinte, este valor saltou para R$ 900 milhões. Em 2017, por sua vez, o Estado arrecadou a soma de R$ 1,36 bilhão.

Devido aos supostos problemas de caixa, o ex-governador, ainda em posse do comando de Mato Grosso, apresentou e conseguiu aprovar a proposta que criou o Fethab II, responsável por impulsionar a arrecadação em R$ 450 milhões anuais.

RETROVISOR

Depois de passar quatro anos culpando o ex-governador Silval Barbosa (sem partido) por todos os problemas enfrentados por Mato Grosso, o deputado estadual Wilson Santos (PSDB) agora afirma reconhecer que este foi um erro da gestão Pedro Taques (PSDB).

Wilson foi questionado sobre falas do atual vice-governador, Otaviano Pivetta (PDT), que chegou a cogitar que a suposta crise econômica foi plantada por Taques. “Eu não li a declaração do vice-governador Otaviano. Não li, não tive acesso e nem conhecimento, mas gostei de uma fala do governador Mauro Mendes Ferreira, que diz que vai continuar falando da gestão do Taques só por mais alguns dias. E um dos erros nossos foi ficar muito tempo falando a gestão Silval, olhando no retrovisor”, afirmou.

Segundo Wilson, o momento agora serviu de aprendizado para se adequar ao clamor da sociedade. Momento oportuno para o “aprendizado”, já que, desta vez, o alvo de críticas, caso Mendes queira perpetuar as acusações, é o Governo do qual Wilson defendeu e fez parte, atuando, inclusive, como secretário de Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *