O que você vai ser quando crescer? A relação do homem com a carreira

Eduardo Cunha

 

Quando eu era criança, até os meus 5, 6 anos, era o que mais me perguntavam. O que você vai ser quando crescer? E eu, na minha ingenuidade respondia a primeira coisa que vinha na minha cabeça, vou ser bombeiro, lixeiro, médico, etc…me baseando apenas nos meus devaneios infantis.

Os anos foram passando e então, com os meus 18,19 anos, tinha que escolher uma carreira, e já não me indagavam com relação a esta questão, mas eu sabia que me observavam e pensavam: o que será quer esse rapaz está pensando da vida? E muita gente dando “ pitaco” a respeito, acho que deveria estudar medicina como seu tio, está rico, ou você deve ser engenheiro ou advogado profissões de futuro.

Com essa idade eu estava no meio de um furacão, os hormônios aflorando a todo vapor, indecisões e inseguranças de todas as ordens e formas. Mas tinha que me decidir, até porque o tempo voava, e eu sem saber ao certo que profissão escolher. Só tinha uma certeza, não queria ficar dependendo dos meus pais por muito mais tempo.

Por essa mesma situação estão passando milhões de jovens nesse exato momento.

Com o mundo cada vez mais competitivo, veloz e diversificado, algumas carreiras derretendo como sorvetes ao sol, outras emergindo como pontas de icebergs, e algumas outras nem apareceram ainda no cenário da empregabilidade, fica cada vez mais difícil a solução desse enigma para a grande maioria dos jovens.

Hoje, passados 50 anos, eu sei a solução, aprendi que nesse período da adolescência, salvo raríssimas exceções, temos que ter ajuda externa para poder superar e ultrapassar essa fase, exatamente como a mãe prepara o terreno em que o bebê se desenvolverá e da mesma forma que a planta crescerá, se prepararmos o terreno para a semente, que será tão mais forte e saudável quanto a qualidade do terreno e a assiduidade da rega proporcionada.

Por isso a escolha do profissional, digamos o estrategista de Carreira é fundamental para você descobrir seus dons, valores, talentos e aptidões que sejam compatíveis com a sua vocação rumo a uma profissão que lhe realize plenamente, essa é uma escolha que só você pode fazer e se bem definida, todo o resto vem por gravidade.

EDUARDO CUNHA é arquiteto, construtor e estrategista de carreira, engenheiro de segurança e higiene no trabalho, doutor em Psicologia Social, professor do IFMT, Coach e Practitioner em Programação Neurolingista.

Email: eduardof_cunha@brturbo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *