TRT bloqueia todo prêmio da Copa FMF do Mixto

A decisão da Justiça Trabalhista vem na hora em que a atual diretoria tentam “reerguer o clube” 

JORGE MACIEL
Vencedor da Copa FMF (Copa Federação) no fim do ano passado, o Mixto EC planejava utilizar a premiação de R$ 700 mil, com a dedução do Imposto de Renda pouco mais que R$ 575 mil, para montar um plantel competitivo para o Mato-grossense que começa no dia 19. Mas a Justiça do Trabalho conseguiu o arresto de toda a soma para reduzir dívidas trabalhistas do clube.

A decisão saiu no começo da noite desta quarta-feira, mas o recesso da justiça atrapalha a coleta de mais informações. Pelo lado do Mixto, após inúmeras tentativas, apenas o atual presidente, Walter Fernandes, forneceu informações de forma “muito cuidadosa” e vagas. Mas ele confirmou o bloqueio dos recursos.
Segundo o dirigente, o valor é o mesmo arguido na justiça no ano passado, quando a justiça trabalhista tentou bloquear a renda do Mixto, mas encontraram pouco mais de R$ 132 na conta. Ele confirmou, entretanto, que o valor bloqueado foi a totalidade da premiação, subtraída, na fonte, pela Receita Federal com alíquota de 25% do IR.
Fernandes, contudo, deixou claro que as dívidas se referem a gestões anteriores, acumuladas temporadas a temporadas, desde 2010, quando o clube montou um plantel caro, incluindo Perdigão, ex-Corinthians, Luizinho (ex-São Paulo), Gabiru (ex-Internacional-RS), Finazi (ex-Ponte Preta) e outras celebridades para a disputa da Série C, onde o Mixto fez uma campanha melancólica.
Faz praticamente dez anos que a Justiça do Trabalho não sai do pé do clube. Ano a ano, em todos os jogos, oficiais de justiça aparecem e levam a renda com borderôs e tudo. Em 2009, nem a categoria feminina foi poupada. Numa partida contra o feminino do Santos, pela Copa do Brasil, a renda foi de R$ 64.620.00 foi arrestada para pagamento de dívidas trabalhistas.
O presidente do clube disse ao FutebolInterior e Futebolpress que o bloqueio do dinheiro pela Justiça do Trabalho vai voltar para os cofres do clube até o dia 10, praticamente a uma semana da largada do mato-grossense. O departamento jurídico do Alvinegro ajuizou “Ato Trabalhista” tencionando reforma da decisão.
Essa decisão chega no tempo em que a nova gestão vem tranatrabalhando para “reerguer” o clube, o maior vencedor de títulos (24) do estado. “Infelizmente fizeram isso com o Mixto, quando estamos tentando reerguer o clube”, disse Fernandes.
Se não der certo, ainda assim o clube disputa o campeonato sem maiores problemas. Fernandes afirmou que “todos já esperavam por isso” e que o “Mixto tem um plano B para formar um plantel forte. Mas não explicou como seria esse plano B

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *